Posted by in Politica

Roberto Jefferson pode cumprir pena na cadeia, dizem médicos. Pergunta: não haverá protestos nas redes sociais?

A junta de oncologistas que examinou o ex-deputado Roberto Jefferson afirma que ele não precisa de acompanhamento médico hospitalar ou doméstico, o que significa, na prática, que pode cumprir a pena na cadeia, também em regime semiaberto, como José Genoino. Segundo os doutores, e certamente Jefferson considerou esta uma boa notícia, não existem evidências de um câncer em atividade.

O deputado, como todo mundo já viu, está com uma aparência ainda bastante abatida, certamente em decorrência da agressividade da doença e do tratamento. Mas vocês podem apostar: não haverá protesto nas redes sociais, não haverá manifestações de solidariedade, nem mesmo alguns dos nossos queridos jornalistas vão escrever textos comovidos, alertando para o risco de morte do ex-deputado.

Eu realmente acho essas coisas bastante curiosas. Parece que os mensaleiros se dividem em duas categorias distintas: uma superior, aristocrática, composta de petistas — e outra inferior, meio mixuruca, formada pelos demais.

A situação é de tal sorte acintosa que, na sexta-feira, foi preciso que a Justiça ordenasse que Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, que é governado pelo PT, pusesse um fim aos privilégios dos mensaleiros — privilégios que só existem, é bom que se destaque, por causa dos petistas que estão lá. Agora, eles não terão dia especial de visitas, e seus familiares serão submetidos à mesma rotina dos familiares dos demais presos.

Pode parecer impressionante, mas é verdade: em pouco mais de três semanas de prisão, já havia se estabelecido no presídio uma rotina inaceitável de privilégios. A mulher de um dos presos comuns protestou: quis saber por que os mensaleiros tinham tratamento especial e perguntou à queima-roupa: “É por que eles roubaram dinheiro do povo?”. Pergunta muito sábia a dessa senhora. Ela poderia não saber, mas estava repetindo um sermão do grande Padre Antônio Vieira, que, já no século XVII, afirmava: “Alguns ladrões furtam e são enforcados; outros furtam e enforcam”.

Eu espero que José Genoino, Roberto Jefferson e todos os que foram condenados sejam tratados com dignidade. Aliás, eis um bom momento, ainda que por más razões, para que se corrija a situação lastimável em que vivem os presídios no Brasil. Infelizmente, o tema só está sendo debatido porque alguns bacanas estão tendo de passar lá uma temporada. Mas não podemos deixar que o assunto seja esquecido. Quem errou tem de pagar. Quem cometeu crimes e foi condenado tem de cumprir a pena. Mas é evidente que essa pena tem de ser aplicada de maneira digna.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, já chegou a dizer uma vez que preferiria morrer a cumprir pena em cadeia brasileira. É uma fala infeliz. Sobretudo porque, em último caso, os presídios estão subordinados à sua pasta. Infelizmente, neste ano, o ministério da Justiça vai investir na área menos do que investiu no ano passado. E isso acontece num momento em que a criminalidade no Brasil cresce em vez de diminuir. Que bela chance ele perdeu de ficar calado! Mais uma!

Texto publicado originalmente às 5h23 – Por Reinaldo Azevedo