Canção do Expedicionário

By Portal da Radio

j

November 23, 2022

Esta linda canção e sua história, só pode ser levada em conta, porque alguém sobreviveu para contá-la.
Sinceramente, fica muito difícil entender que isto seja verdadeiro, mas como conheço ao Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, então eu sei que Seu filho, Jesus, o Cristo de Nazaré, inspirou a esses homens e por esse motivo, hoje temos essa belíssima história.

Canção do Expedicionário

Você sabe de onde eu venho?
Venho do morro, do Engenho
Das selvas, dos cafezais
Da boa terra do coco
Da choupana onde um é pouco

Dois é bom, três é demais
Venho das praias sedosas
Das montanhas alterosas
Do pampa, do seringal
Das margens crespas dos rios
Dos verdes mares bravios
Da minha terra Natal

Por mais terras que eu percorra
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Sem que leve por divisa
Esse V que simboliza
A vitória que virá

Nossa vitória final
Que é mira do meu fuzil
A ração do meu bornal
A água do meu cantil
As asas do meu ideal
A glória do meu Brasil

Eu venho da minha terra
Da casa branca da serra
E do luar do meu sertão
Venho da minha Maria
Cujo nome principia
Na palma da minha mão

Braços mornos de Moema
Lábios de mel de Iracema
Estendidos pra mim
Ó, minha terra querida
Da Senhora Aparecida
E do Senhor do Bonfim

Por mais terras que eu percorra
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Sem que leve por divisa
Esse V que simboliza
A vitória que virá

Nossa vitória final
Que é a mira do meu fuzil
A ração do meu bornal
A água do meu cantil
As asas do meu ideal
A glória do meu Brasil

Você sabe de onde eu venho?
É de uma Pátria que eu tenho
No bôjo do meu violão
Que de viver em meu peito
Foi até tomando jeito
De um enorme coração

Deixei lá atrás meu terreno
Meu limão, meu limoeiro
Meu pé de jacaranda
Minha casa pequenina
Lá no alto da colina
Onde canta o sabiá

Por mais terras que eu percorra
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Sem que leve por divisa
Esse V que simboliza
A vitória que virá

Nossa vitória final
Que é a mira do meu fuzil
A ração do meu bornal
A água do meu cantil
As asas do meu ideal
A glória do meu Brasil

Venho de além desse monte
Que ainda azula no horizonte
Onde o nosso amor nasceu
Do rancho que tinha ao lado
Um coqueiro que, coitado
De saudade já morreu

Venho do verde mais belo
Do mais dourado amarelo
Do azul mais cheio de luz
Cheio de estrelas prateadas
Que se ajoelham deslumbradas
Fazendo o sinal da cruz

Por mais terras que eu percorra
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Sem que leve por divisa
Esse V que simboliza
A vitória que virá

Nossa vitória final
Que é a mira do meu fuzil
A ração do meu bornal
A água do meu cantil
As asas do meu ideal
A glória do meu Brasil

(Letra e música de: Guilherme de Almeida e Spartaco Rossi)

(ap. Ely Silmar Vidal – Teólogo: COJAE 0001-12-PF-BR; Psicanalista: CONIPSI CIP: 0001-12-PF-BR; Jornalista: DRT-9597/PR e presidente do CIEP – Clube de Imprensa Estado do Paraná)

Contato:
(41) 98514-8333
(41) 99109-8374
(41) 99821-2381 (WhatsApp)

Mensagem 15112022 – Canção do Expedicionário – (imagens da internet)

Os trabalhos que desenvolvo, não visam lucros financeiros, e são, apenas divulgação do que acho interessante para conhecimento geral, por isso, não monetizo.

Que o Espírito Santo do Senhor nos oriente a todos para que possamos iluminar um pouquinho mais o caminho de nossos irmãos, por isso contamos contigo.

Se a mensagem foi útil, e acha que pode ajudar alguém, divulgue: (ao replicar, preserve a fonte)

Siga-nos: https://www.bitchute.com/video/2rYxmELIii3J/

Texto completo e outros em: http://www.portaldaradio.com

@elyvidal @radiocrista @pastorelyvidal @conipsip @CiepClube
#FalaPortaldaRadio #conipsi #cojae #dojae

Publicações Recentes

Tua colheita está próxima

"Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará....

O silêncio ensurdecedor

"Não escondas o rosto ao teu servo, pois estou atribulado; responde-me depressa. Aproxima-te de...

A injustiça é o mar da vida

Sei que falar de José, é quase chover no molhado. Em tudo onde colocou as mãos, encontrou a boa...

0 Comments

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *